O Papel da Família na PREVENÇÃO!

Dependência Química é considerada doença pela OMS (Organização Mundial de Saúde), e hoje há consenso sobre a predisposição genética ao vício e aos problemas psiquiátricos que podem estar associados (comorbidades), como a depressão e o transtorno bipolar.

Mas igualmente se sabe que vários fatores podem se somar no caminho que leva às drogas, inclusive o ambiente familiar. Compartilhar responsabilidades e promover mudanças pode ser tão difícil como reconhecer que um familiar é dependente químico.

O TESTE DA PREVENÇÃO
Você colabora decisivamente para evitar que seu filho se torne dependente químico? Responda as quatro perguntas abaixo e confira o seu desempenho:Quando você está em família se sente à vontade para fumar cigarros, consumir bebidas alcoólicas ou recorrer a automedicação?Você sabe quais são os efeitos e os danos causados, por exemplo, pela maconha, o crack e o uso abusivo de álcool e se mostra aberto para discutir o tema com seu filho?Você sabe dizer o nome da paquera do seu filho (a) na escola ou se há algum colega com quem ele (a) já teve uma desavença?Você sabe onde seu filho está? Com quem? E fazendo o que?

COMO VOCÊ DEVE AGIR EM CADA CASO?

  • Dê o exemplo: Os pais devem promover uma cultura antidrogas em casa, o que inclui tanto as lícitas, como o álcool, cigarro e automedicação, quanto as ilícitas.
  • Informe e promova o diálogo: Os pais devem se informar sobre os danos causados pelas drogas para poderem alertar os filhos sobre os riscos e as conseqüências que elas implicam. E deixar o canal aberto para que o adolescente ou jovem saiba que sempre poderá conversar sobre esse tema com os pais.
  • Esteja próximo: Os pais devem reservar tempo para acompanhar as atividades dos filhos, tanto as tarefas escolares quanto as atividades de lazer.
  • Demonstrar interesse sobre como ele passou o dia e como é a relação com seus amigos ajuda a estabelecer uma relação de proximidade e confiança. É mais fácil estabelecer um diálogo e detectar problemas quando se conhece bem o filho.
  • Dê limites: Desde a primeira infância é preciso estabelecer regras coerentes com a idade e a maturidade do filho e garantir que sejam cumpridas mesmo que ele se sinta contrariado.
  • É preciso estar sempre atento, saber onde o filho está e saber quem são suas companhias. Não basta apenas saber a hora em que ele chegou em casa. É necessário cumprir algumas responsabilidades para poder ter mais liberdade.

FAMÍLIAS DE RISCO

Ausência da função paterna: Um pai ausente, seja fisicamente ou por não assumir seu papel, é um elemento comum na história de vida de dependentes químicos. A ausência da função paterna pode tomar forma em pais pouco atuantes que fazem valer sua autoridade por meio da violência, mães permissivas que desautorizam os pais ou o afastam do filho, pai e mãe com dificuldades para impor limites e dizer “não”. A ausência da função paterna também está relacionada aos comportamentos de riscos abaixo relacionados:Superprotetores e hiperprovedores: Pais sem tempo ou sem disponibilidade para dar afeto aos filhos muitas vezes tentam compensar a culpa realizando todos os desejos deles, sem delegar responsabilidades. Colaboram para que as crianças e adolescentes adotem o mecanismo do prazer pelo prazer, de preferência imediato.

Assim, são protegidos das frustrações da vida. É essa sensação que poderão buscar na droga.Inversão de papéis: Filhos precisam de pais, não de amigos. Se não existe hierarquia, a família torna-se um terreno indiferenciado, sem certo e errados definidos, fértil para as drogas.Vício de pai para filho: Muitos dependentes deram continuidade ao exemplo de casa, com pais, tios, avós ou irmãos alcoolistas ou viciados em drogas lícitas e ilícitas. O aprendizado de crianças e adolescentes de como resolver conflitos e lidar com frustrações também se baseia nos exemplos na família.

O PAPEL DE FAMILIARES NA RECUPERAÇÃO

Atenção aos sinais: Dependendo da droga utilizada em poucas semanas se estabelece uma situação de emergência. No caso do CRACK o dependente apresenta emagrecimento acentuado, agressividade, depressão, dedos e bocas queimados e até delírios e paranóias.

Buscar o diagnóstico: Encaminhar o dependente a um especialista. Paciente com transtornos como depressão e bipolaridade precisam de medicação específica.

Admitir o problema: É preciso que os familiares se esforcem para perceber que todos podem fazer parte do problema e da solução.

Incentivar a busca de tratamento: No caso do crack a internação é imprescindível.

Promover mudanças: Se a família não rever seus comportamentos e atitudes e promover as mudanças necessárias, as chances de recaídas do dependente são altas.

Superar as culpas: Lidar com um dependente químico é um aprendizado. Essas situações provocam angústia em familiares. Também é comum pais darem dinheiro aos filhos ou enchê-lo de presentes se ele se dispuser a internar-se. Isso atrapalha a recuperação.

Fonte: Jornal Zero Hora – RS.

About Pastoral da Sobriedade

É ação da Igreja Católica perante o desespero da família em relação ao consumo de álcool e drogas, mostrando que através da pedagogia do amor de Jesus, nós conseguimos ter vida nova, fazendo assim dos excluídos os nossos preferidos.

Posted on 29/06/2011, in Notícias and tagged , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: